Pode parecer estranho dizer isso, mas a dor também pode ser a solução e cura para muitas das nossas dificuldades e doenças.

Ninguém gosta de senti-la, mas poucos se dão conta de que a escolheram sentir.

Nós nos afastamos quando sentimos dor. Não gostamos de olhar para ela. Raramente cuidamos dela, e tão pouco aceitamos a existência dela em nossa vida.

A dor pode se expressar de várias maneiras em nós, através do nosso corpo físico e também através das nossas emoções. A dor física, é aquela dor de um machucado, de uma ferida no corpo, uma dor que incomoda mas que pode ser passageira. Muitas vezes um simples curativo ou analgésico a faz ir embora. Já a dor emocional vem de uma ferida no coração, e para este ferimento o tratamento é mais longo. Essa dor é mais persistente e resistente, e nos causa um profundo desconforto que parece nos corromper gradualmente.

A maioria de nós se preocupa muito mais em tratar as dores físicas que as dores emocionais.

O corpo físico é um indicativo de onde pode estar vindo essa dor. E o emocional? Quantos de nós paramos a correria do dia-a-dia para tratar nosso emocional? Será mesmo que essa dor pode esperar só porque não está tão visível? Se não olha para a dor, ela vai aumentar porque precisa ser vista, precisa ser tratada. E de que forma ela aumenta? Através dos nossos conflitos, internos e externos. Geralmente só quando estamos no caos, é que enfim damos atenção a essa pobre dor emocional. Alguns de nós só olhamos para a dor emocional quando ela se transforma em física.

A dor emocional é a maior prova de que temos um coração, e que podemos amar, que podemos e devemos sentir nossas emoções. Devemos sentir para saber de onde vem essa dor, só assim podemos trata-la. Quando fingimos não sentir dor, ou quando a rejeitamos, o nosso corpo acolhe ela para nós, e depois de um tempo, padece, adoece e sofre. Pronto! Agora além da dor emocional, demos lugar para mais uma dor, a física.

Sabe aquela raiva que julgamos ser “feio” sentir?

Nosso fígado vai sentir por nós. Sabe aquilo que devíamos ter falado naquele momento e não falamos? Nossa garganta também vai nos ajudar a guardar aquilo por mais algum tempo, até quando ela não aguentar mais e adoecer também.

Sim, tudo o que rejeitamos nosso corpo acolhe por nós, nos protege do que ainda não conseguimos lidar, olhar e resolver. Mas até quando ele consegue fazer isso por nós? Até o limite dele. Muitas pessoas deixam o corpo chegar em seu limite pelo simples fato de não aceitar ou não querer olhar para o que está por traz da dor.

Intensificamos nossa dor remoendo mágoas, alimentando medos, tristezas e raivas. Aceitar algo que nos incomoda, sem medo de expor nossos sentimentos é uma forma de olhar para nossa dor emocional, acolher e nos libertar dela.

Só você pode curar sua dor, é inútil achar que o outro vai te livrar do sofrimento.

É você quem escolhe as relações que quer estabelecer com as pessoas, é você quem escolhe as experiências que precisa ter na vida. Então em vez de culpar o outro pelo seu sofrimento, olhe para si mesmo e se ajude.

Você tem recursos em você e na sua vida que podem te ajudar a superar toda e qualquer tipo de dor emocional. Esteja com os familiares, amigos, medite, pratique esportes, faça terapias, ouça músicas alegres, dance, brinque, esteja em contato com a natureza, esteja em contato com o seu coração, esteja com você.

A função da dor é sinalizar algo em nosso caminho.

É um alerta de que algo não está bem. Quando não olhamos e nem percebemos “as placas de sinalização”, podemos errar o caminho. A experiência da dor pode definir nossos caminhos. Muitas vezes escolhemos o caminho da dor…e se nos atentarmos ao percurso todo, podemos encontrar algum atalho para o caminho do amor. Quando entendemos o papel da dor em nosso caminho, ela se torna desnecessária.

Cristiane P. Cappa
cristerapias@yahoo.com.br

Comentários

Comentários