A sociedade atual comporta-se como se uma vida saudável fosse algo que não lhe pertencesse. É verdade que hoje diversas pessoas buscam terapias naturais, exercícios que trabalhem corpo, mente e Espírito, bem como, procuram alimentar-se com ingredientes naturais e orgânicos. Porém, a grande maioria continua ingerindo substâncias nocivas ao corpo, além de alimentar-se de emoções negativas que criam consequentemente memórias negativas em suas células. Essas memórias podem provocar doenças tanto no momento presente quanto num futuro próximo.

O terceiro milênio nos convida a viver de forma integral, alinhando corpo, mente e espírito. Não adianta cuidar apenas do corpo e não trabalhar os sentimentos, nem nos espiritualizarmos. Da mesma forma, fica incompleto se cuidarmos da espiritualidade e da mente e não cuidarmos do corpo. Somos um Ser Integral e por isso todos os aspectos deste Ser precisam ser considerados.

Ainda hoje, quando o corpo físico apresenta um problema funcional, se atribui a defeitos estruturais no sistema corporal, produzidos por desequilíbrios químicos. De acordo com essa abordagem, quando uma pessoa tem um ataque do coração é porque o coração apresenta uma disfunção e os tratamentos convencionais procuram apenas colocar o órgão em funcionamento novamente. Nem por isso garante que a disfunção não retorne, uma vez que Medicina tradicional trata o efeito e não a causa como o tratamento integrativo.

Porém, a nova medicina, que começa a ser descoberta e aplicada por curadores integrativos considera não só os órgãos ou os desequilíbrios bioquímicos, mas também os campos de energia sutil. Bem como, o uso de técnicas de imposição de mãos, acupuntura e estímulos de baixa intensidade em substituição ao uso de medicamentos.

Segundo William A. Tiller, Ph.D. no livro Medicina Vibracional de Richard Gerber “estudos na área de neuropsiquiatria observaram que correntes elétricas de baixa intensidade entre pontos específicos do cérebro, dão origem as mesmas alterações comportamentais produzidas por certas substâncias químicas que exercem um efeito estimulante sobre o cérebro. Foi constatado nesses estudos que “uma corrente elétrica contínua de baixa intensidade (10¹² amp/mm² a 10 amp/mm²) aplicada a leucócitos in vitro estimula a regeneração celular, ao passo que correntes de maior intensidade provocam a degeneração das células”.

Estudos como esse vêm demonstrar que as células respondem positiva e construtivamente a estímulos de baixa intensidade. Tratamentos que considerem também os campos de energia sutil e eletromagnética, além dos de energia densa, possibilitam uma visão mais completa e mais dinâmica da Medicina, não se restringindo apenas aos aspectos físicos e emocionais.

É verdade que ainda andamos a passos curtos, mas se levarmos em conta o mundo quântico, esta realidade poderá ser modificada muito rápido e obter resultados ainda mais efetivos e verdadeiros.

A Medicina Homeopática desde o seu início mostrou esse caminho. Ela é a precursora nesta área, mas ainda está na ponta de um iceberg, onde muitas outras coisas ainda estão por vir. Linhas de pesquisas avançam para tratamentos subatômicos, usando a mente como um agente nesse processo de cura.

Tiller, que trabalha no Departamento de Ciências de Materiais e Engenharia da Universidade de Stanford, nos USA, afirma que precisamos entender que somos seres integrais, criados por uma Mente supraconsciente, indestrutível e em sintonia com o Divino. Mente que colapsa um corpo físico, corpos extra-físicos para realizar as suas experiências. O corpo segundo ele, é o veiculo criado para viver essas experiências.

O Ser primordial, a Consciência, a Mente supraconsciente, o Espírito, seja o nome que queiramos dar, está ligado a esse veículo carnal, através do conjunto dos circuitos neuro-químico-emocionais criando o bailar da vida, seus dramas, suas derrotas e suas conquistas.

O meu convite é a reflexão. A vida futura nos convida a viver mais o Ser Integral, a consciência, pois a ciência já dá sinais de que o futuro é para vivermos mais o nosso Self e a nossa totalidade.

Guaramaia
guaraciara.maia@gmail.com

Comentários

Comentários