Cheiros naturais são como música, eles orquestram nossas emoções através de suas notas e acordes perfumados.

Pare o que você está fazendo. Imagine uma rosa branca e sinta seu aroma. Viu como você se acalma? Meu nome é Palmira Margarida e vou guiar as suas emoções em uma viagem pela rota dos aromas naturais. Isso significa que vamos sentir o aroma de alegria das bergamotas, o cheiro de paz do sândalo e a força emanada do olíbano. As plantas falam com as nossas emoções e nos curam de diversas formas, não só pelos seus aromas, mas pela própria energia e composição química.

Minha viagem pelo mundo dos aromas botânicos começou na infância, quando brincava com as plantas do quintal e analisava suas texturas, cores, formatos, cheiros e gostos. Misturava raízes com caules e pétalas de flores em potes com água, terra e sucos. Na faculdade de História, fui encantada pelos mandigueiros e curandeiros negros do Brasil colonial e imperial.

Os livros sobre plantas mágicas e as leis de assinatura de Paracelso, os boiões indígenas e a medicina popular tomavam minhas prateleiras e comecei a colocar em prática tudo o que lia.

O objetivo era recriar receitas antigas, utilizar e unir conhecimentos e pessoas que se interessassem por isso hoje. Intensifiquei meus estudos e deixei que as próprias plantas me guiassem. Assim, pós-graduei-me em Educação Ambiental estudando as plantas litúrgicas de algumas religiões no Brasil, e conclui mestrado na Fiocruz, onde pesquisei a utilização das plantas na Medicina Popular Brasileira. Em 2008 fundei a Casa Alquímica, uma empresa que cria perfumes compostos totalmente por plantas.

Os aromas das plantas são mais que cheirinhos. Eles viabilizam um “perfume para a alma”, para dentro. Usar e sentir aromas naturais é como conversar com suas memórias e emoções. Isso porque o olfato é o mais primitivo entre os sentidos, ele é o único que acessa diretamente o sistema límbico, parte do nosso cérebro ligado às memórias e emoções. Basta alguns segundos para que um cheiro de bolinho de chuva, vindo da casa do vizinho, te lembre a vovó e você se emocione, tenha boas recordações, se sinta amado, mudando toda a sua frequência energética e tendo um bom dia.

A música da alma

Cheiros naturais são como música, eles orquestram nossas emoções através de suas notas e acordes perfumados. E para que nossa viagem se inicie, você precisa conhecer as três notas básicas da perfumaria antiga ou dos aromas naturais.

Notas baixas: geralmente são extraídas de raízes, pedaços de troncos, musgos e sementes. Elas têm cheiro de telúrico, visceral, madeiras fortes ou terra molhada após uma forte chuva. Algumas são ocres, amargas e podem até causar enjoo, tristeza e incômodo. Isso porque elas mexem com os porões do nosso inconsciente, com questões que há muito escondemos embaixo do tapete, que nos doem e , por isso, fingimos que esquecemos. Mas não se faz música sem nota baixa, sem grave. As outras notas não se sustentam sem essas. Elas são análogas aos chakras raiz e sexual.

Notas médias (ou do coração): em sua maioria são os aromas das flores e dominam o chakra cardíaco. São os cheiros que “conversam” com o coração, com tudo o que guardamos dentro dele e que nos faz mal – tristeza, depressão, rancor, ciúme, ódio. Por isso, a maioria de nós ama ganhar flores e sentir seus perfumes. Elas acariciam nosso coração, limpam nossas emoções e equilibram nossos sentimentos.

Notas altas (ou da cabeça): são os cheiros que “gritam”. São análogos aos chakras plexo solar e laríngeo. Cítricos e algumas ervas e folhas, como alecrim e eucalipto, fazem parte dos aromas da cabeça. Não importa se você colocou 10 gotas do “senhor olíbano” em um frasco. Tenha certeza que se colocar uma nota de alecrim, esta será a primeira a aparecer. São notas “para cima”, alegres e eufóricas. É uma analogia ao ser humano: primeiro você tem contato com a máscara, com a cabeça, com os diálogos e discursos.

As notas altas não são superficiais, elas apenas se apresentam primeiro, mas não dão sustentação ao perfume. Para que elas apareçam é necessário que alguém (baixas e médias) esteja segurando as bases lá em baixo. Por isso, uma das maiores falácias dos tempos atuais é a felicidade como produto: não dá para ser só nota alta. Não é possível ser nota alta o tempo todo. E quem não faz contato com as próprias notas baixas, tem o perfume da alma construído em um castelo de areia.

Continue nossa viagem no rastro dos aromas. Até a próxima coluna.

Palmira Margarida

Comentários

Comentários